29/03/2021

Nasa mostra imagem espetacular de dunas de areia congeladas em Marte


 Uma imagem capturada pela sonda Mars Reconnaissance Orbiter mostrou uma cena impressionante de Marte: dunas de areia contendo água congelada. A foto foi compartilhada pela Nasa, a agência espacial norte-americana. A cena foi registrada em fevereiro deste ano, mas apenas na quinta-feira (25/3) foi divulgada na internet.


A imagem é de um campo de dunas de areia que ocupa uma cratera gelada de 5 quilômetros de diâmetro nas altas latitudes das planícies do norte de Marte. Algumas dunas se separaram do campo principal e parecem estar subindo a encosta da cratera “ao longo de uma forma semelhante a uma ravina”, que são espécies de barrancos formados conforme o gelo derrete com a mudança de estações.


A superfície do campo principal de dunas é caracterizada por uma série de padrões poligonais em tons escuros, o que pode ser o resultado de processos de geada sazonal. “Várias das encostas de dunas mais íngremes, apontando na direção do vento, apresentam sulcos estreitos que sugerem o início da formação de ravinas.”


O fundo da cratera contém uma variedade de texturas, incluindo padrões lobados e listrados que indicam degelo sazonal, ou seja, derretimento causado pela sublimação do gelo. O amplo movimento descendente de materiais nas encostas da cratera oposta ao campo de dunas se assemelha superficialmente a ravinas, exceto que geralmente não são definidas por nichos distintos, canais incisos ou aventais de sedimentos. Essas são as marcas registradas de ravinas em outras partes do planeta.


Ravinas antigas

A Mars Reconnaissance Orbiter busca, desde 2006, evidências de que a água já fluiu no solo marciano em um passado distante. Evidencia também que ela está provavelmente derretendo e formando ravinas, como revela esta e outras fotografias que o equipamento enviou à Terra nos últimos anos.


Trabalhando junto ao rover Curiosity, que chegou ao planeta vermelho em 2011, a sonda Mars Reconnaissance Orbiter deve ser mantida em Marte ao menos até 2030.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário